quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Os “Fora-da-Lei” “Bregas” da Capital

Vivem em casas (ou quartos-casa) feitas da noite para o dia, em terrenos ocupados ilegalmente; têm luz eléctrica sem nunca terem os postos os pés nas instalações da Electra; muitos desenvolvem actividades económicas informais em locais não permitidos, desafiando muitas vezes as autoridades; alguns chegam também a participar em actividades ilícitas como a venda de estupefacientes.

Ao que tudo indica, estes fora-da-lei das zonas cinzentas da Praia não são nada mais do que os filhos indesejáveis do Estado. Por um lado, foram gerados pelo fracasso das medidas paliativas que as autoridades públicas centrais e locais tem desenvolvido ao longo dos anos para as situações de emergência em decorrência de maus anos agrícolas, particularmente, os trabalhos públicos desenquadrados de estratégias coerentes de redução estrutural da pobreza. Por outro lado, são fruto de um modelo de descentralização baseado na transferência de competências, mas não acompanhada de uma de recursos condizente.

E agora o papai Estado mostra-lhes (ou é obrigado a mostrar-lhes) a sua cara feia: o Piquete.

Bem, quanto aos “fora-da-lei” Chics, prefiro não tecer comentários...

2 comentários:

Voz na Pedra disse...

outro post mt fixe, não pude deixar de sorrir no final.

De facto é visível a situação dos fora da lei BREGA, agora os CHICs que circulam visivelmente são mais opacos de entender quem é quem.

bali

mats disse...

quantos fiscais a câmara municipal põe nas ruas para fiscalizar as construções clandestinas? um punhado para uma cidade que tem cerca de 130 mil habitantes... quantos fiscais estão envolvidos em casos de corrupção ativa e passiva? alguns, mas a investigação interna sempre termina em pizza...